NASCAR Racismo

#NASCAR e o Ovo da Serpente

22/06/2020

#NASCAR e o Ovo da Serpente

O racismo associado ao ódio deu as caras mais uma vez nos Estados Unidos. E com uma mensagem tão forte quanto a do assassinato de George Floyd. Claro, sem as consequências fatais. Porém com uma imagem tenebrosa que deixa claro que todos os protestos em solo americano nas últimas semanas, em razão do caso Floyd, foram poucos em termos de reação da sociedade contra a segregação racial e ainda ineficientes em um determinado grau quando falamos em formação de consciência.

Na etapa de Talladega da NASCAR, neste final de semana, um nó de forca, isso mesmo, um nó de força (aquele laço famigerado usado para execuções) foi encontrado nos boxes da equipe Petty Enterprises — onde corre Bubba Wallace, o único piloto negro no grid da série norte-americana. Até se encontre um explicação diferente, isso é um recado de pessoas supremacistas brancas contra a diversidade.

O nó de forca, ao longo de mais de 100 anos, tem uma associação ampla com a Klan (a Ku Kux Klan), grupo supremacista norte-americano, surgido no final dos anos 1860, que destila ódio e violência contra negros, católicos, judeus, imigrantes, homossexuais e outras minorias. Basicamente, a KKK defende a supremacia branca, o nacionalismo branco e a anti-imigração. Eles ‘lutam’ pela “purificação” da sociedade estadunidense.

Há relatos, antigos é bom acentuar, de pessoas que foram espancadas quase até a morte pelos membros da Klan e depois foram pendurados em árvores, então com o nó de forca, para efetivamente morrerem.

Por isso o caso envolvendo Bubba Wallace na NASCAR é emblemático. Significativo, também, porque acontece em Talladega, no Alabama, que foi um dos Estados Confederados durante a guerra civil americana do século 19 e um estado escravagista e onde muitas das ideias da Klan circulavam e ganhavam corpo.

Lembrando que a categoria de Stock Cars proibiu recentemente a presença da bandeira confederada em seus eventos. Essa bandeira, também associada à Klan, é um símbolo da intolerância para a maioria das pessoas. Sejam eles os defensores da igualdade social em todos os níveis ou, então, os próprios intolerantes.

A NASCAR abriu um investigação, ao que tudo indica, rigorosa para encontrar os responsáveis pelo ato e estes serão banidos da série imediatamente e sem a chance de retorno.

Rogério Elias, jornalista, fundador ao Amigos da Velocidade ao lado de Téo José, comentarista de Esportes a Motor, professor de jornalismo e palestrante. @RogerioElias.

COMPARTILHE:

Jornalista. Abril, UOL, Yahoo, Estadão, Correio Paulistano.
Comentários