F1 Histórias

Histórias #F1: Kimi, Sauber e o avião

03/06/2020

Histórias #F1: Kimi, Sauber e o avião

Num final de tarde em julho, após a bandeira quadriculada do GP da Grã-Bretanha de F1 2017, Kimi Räikkönen se encontrou, no paddock, com Beat Zehnder. Uma conversa de cá, outra de acolá. E o chefão da equipe Sauber acabou aceitando o convite para pegar uma carona no jato particular de Kimi na viagem de volta para casa. Ou, então, se convidou. Sabe-se lá. Räikkönen mora em Zurique, na Suíça, assim como Beat ao que se sabe.

Na corrida em Silverstone daquele ano, o piloto da Ferrari teve um desempenho bom. Largou da segunda posição – à frente de seu companheiro Sebastian Vettel (o terceiro) – e finalizou a disputa em 3º lugar. Vettel foi apenas o sétimo colocado e levou mais de 1min30s do vencedor (Lewis Hamilton) e quase 1min10s de seu companheiro.

Embarcados no avião, mais conversas aleatórias, quem sabe uma bebida e Zehnder, então, ofereceu um cockpit na escuderia suíça. E para quando Kimi quisesse. O finlandês havia estreado na Fórmula 1, com 21 para 22 anos de idade, justamente no time baseado na cidade de Hinwill, na temporada de 2001. O chefão não sabia como colocaria em prática o negócio, mas queria o finlandês em um dos seus carros.

Bom, Kimi escutou e disse obrigado. Evidentemente que já circulava pelos bastidores que a Ferrari estava pensando em não renovar o contrato do finlandês no ano seguinte. Discretamente, naquele momento. Mas, circulava. E, justamente em 2018, em setembro, no autódromo nacional de Monza, a escuderia italiana anuncia oficialmente Charles LeClerc para o campeonato 2019.

Claro, Kimi já sabia que seu contrato não seria renovado há tempos. E assim que soube, entrou em contato com Beat Zehnder. E este, àquela altura, já havia elaborado a manobra financeira para contar com um piloto do nível de Räikkönen e campeão do mundo.

A solução parece simples: sociedade na equipe que atualmente se chama Alfa Romeo Racing. Porém, com Kimi acionista, de onde viriam as ações que pertenceriam ao piloto? Como tramitar a proposta entre os diretores e acionistas do grupo? Quais empecilhos dentro do regimento da Sauber? Todas as questões foram respondidas positivamente.

COMPARTILHE:

Jornalista. Abril, UOL, Yahoo, Estadão, Correio Paulistano.
Comentários