Automobilismo F1 Indústria

#F1 Williams entra na fila de vendas

29/05/2020

#F1 Williams entra na fila de vendas

Chegou o dia que o mercado de pilotos na Fórmula 1 se transformou em mercado de equipes. A “Silly Season 2020” (temporada de bobagens, numa versão livre em português) de times está em pleno andamento. E depois das informações de que Renault e Mercedes estão com intenções claras de serem comercializadas, a tradicional Williams Racing se colocou na prateleira do supermercado.

A escuderia britânica foi a referência em tecnologia na F1 nas décadas de 80 e 90 do século passado. Seus carros eram cobiçados pelos melhores pilotos do planeta e muito difíceis de serem batidos na pista. Mas, atualmente, o time é uma esquálida lembrança desses tempos de glória.

O William Grand Prix Holdings (grupo controlador da operação na F1) informou prejuízo de $ 13 milhões de libras esterlinas no ano passado na categoria máxima. Em Reais, as perdas significam 87 milhões. E, assim, anunciaram que poderiam vender a equipe.

De acordo com o corpo diretivo do WGPH, essa seria a melhor opção nesse momento para se pensar numa estratégia na qual a escuderia estaria em uma posição melhor no futuro. Ainda não está decidido se o lote de ações a ser vendido representará a minoria ou maioria do controle.

O time inglês afirma já ter recebido propostas e discussões preliminares estão em andamento. O Amigos da Velocidade entende que a temporada 2020 de F1 para a Williams acontecerá normalmente. As mudanças pretendidas e citadas são para 2021.

Do outro lado do Canal da Mancha

A CEO da montadora Renault, Clotilde Delbos, anunciou que continuará investindo na F1. Ou seja, a equipe francesa na categoria está garantida, ao menos no momento. A gigante multinacional gaulesa enfrenta uma crise descomunal e precisa cortar custos em torno de 2 bilhões de euros.

Delbos confirmou que boa parte dessa economia será com a demissão de mais de 15 mil funcionários no mundo inteiro. Notem, tudo indica que a Renault continua à venda mesmo com a garantia de permanência. Uma proposta, mesmo que razoável, de compra seria bem-vinda pela Clotilde.

Rogério Elias, jornalista, fundador ao Amigos da Velocidade ao lado de Téo José, comentarista de Esportes a Motor, professor de jornalismo e palestrante. @RogerioElias.

COMPARTILHE:

Jornalista. Abril, UOL, Yahoo, Estadão, Correio Paulistano.
Comentários