Automobilismo Indy 500 IndyCar

O veteraníssimo Tony Stewart pode disputar a Indy 500 em alto nível?

30/08/2018

O veteraníssimo Tony Stewart pode disputar a Indy 500 em alto nível?

O norte-americano Tony Stewart voltou a manifestar o desejo de disputar as 500 milhas de Indianápolis outra vez na carreira. Em entrevista, no início desse mês de agosto, ele destacou a vontade de correr novamente no mítico oval assim como já fez em outras cinco vezes durante a trajetória pela Fórmula Indy. Aposentado da NASCAR desde o final de 2016, o tricampeão está com 47 anos e segue como um dos donos na equipe Stewart Haas dentro da competitiva categoria.

Stewart lembrou inclusive da participação de Danica Patrick na Indy 500 de 2018 e falou que não pretende ficar “à parte” conforme aconteceu com a piloto neste ano. Vale lembrar que Danica se classificou entre os dez primeiros no Pole Day, mas na corrida sofreu com um carro instável e acabou batendo sozinha na saída da curva 2,, na última corrida da carreira.

Tony mostrou que pretende se preparar com antecedência caso a oportunidade se confirme ao falar que “uma corrida não é suficiente para se adaptar, mas existem coisas que não se repara em dez minutos, mas, sim, em duas horas. Pit-stops, acertos de carro, meu comportamento no carro, enfim. Tem muita coisa que eu quero ter acertada para chegar lá e brigar pela vitória, não quero ser uma atração extra”.

No Brickyard

O campeão de 1997 pela Indy Racing League (IRL) tem como melhor resultado um quinto lugar nas 500 milhas justamente conquistado no ano em que conquistou o certame. Ele disputou pela última vez a etapa de longa duração em 2001 correndo pelo time Chip Ganassi Racing. Se o atual peso e a falta de ritmo poderiam ser um problema, a conhecida velocidade e a audácia durante as provas são pontos positivos para os fãs do piloto que também sempre foi polêmico.

Em 2014 durante uma prova de sprint cars (modalidade que também dominou e correu durante longo tempo na vida) em um oval de terra em Nova Iorque, ele acabou atropelando e matando Kevin Ward Jr, um piloto que reclamava sobre uma disputa anterior no traçado e já estava fora do carro. Apesar de inocentado do episódio, o triste momento ficou marcado na carreira de Tony Stewart.

Em 2004 havia a expectativa que ele pudesse se qualificar de última hora em um carro da AJ Foyt para a Indy 500 daquele ano, mas citando problemas contratuais ele desistiu da ideia com poucos minutos para o final do treino.

Sangue fervente

Pelo que Stewart obteve ao longo de tantos anos no automobilismo e o conhecimento que possui mesmo sendo um veterano afastado das pistas, tudo leva a crer que possa ter um bom desempenho caso realmente consiga um cockpit competitivo para a corrida de Indianápolis no próximo ano. Ele conhece bem o traçado tanto da Indy como também atuando pela NASCAR, e disputando algumas corridas antes da prova mais importante (essa a ideia dele), pode ser que consiga algum ritmo para incomodar os rivais e brigar pela ponta conforme ele tanto deseja.

A irreverência e o sangue quente do piloto também fazem falta para os fãs que acompanharam bem as corridas do esportista. Como empresário e dono de equipe, Tony ainda se notabilizou ao adquirir o oval de Eldora e se tornar sócio na administração de outra pista nos Estados Unidos. Em uma disputa imprevisível como a Indy 500 e em que tudo pode acontecer, ele seria uma atração, mas não somente pelo marketing, e sim para incrementar a briga pela sonhada vitória no maior palco mundial das corridas e que ele acabou não alcançando apesar de tantas glórias alcançadas ao longo dos anos.

Por James Azevedo (@JamesAzevedo)

COMPARTILHE:

Jornalista. Abril, UOL, Yahoo, Estadão, Correio Paulistano.
Comentários