Esporte F1

Charles, o LeClerc, um piloto com aquele DNA que gostamos na #F1

03/07/2018

Charles, o LeClerc, um piloto com aquele DNA que gostamos na #F1

Guarde bem esse nome e memorize bem a foto desse garoto, de apenas 20 anos. O monegasco Charles LeClerc chegou para ficar na Fórmula 1. Ele tem ‘impresso’ claramente na sua pilotagem e pelas suas atitudes na pista, o DNA dos grandes pilotos. Reiterando: habilidade acima da média para atletas da sua idade, paciência, visão do que é uma corrida, entendimento de como seu carro funciona em cada situação e isso tudo lhe garante a capacidade de construir um resultado durante uma prova – elemento essencial na carreira dos grandes nos esportes a motor.

Vamos reduzir nossa discussão para dar um exemplo, mas guardando as devidas proporções. Quando Lewis Hamilton surgiu, na F1, em 2007, ficou evidente que ele seria um grande piloto. Ok. Talvez não seja a melhor comparação porque o inglês desembarcou numa McLaren, naquele momento, muito poderosa. Falemos, então, de Sebastian Vettel na Toro Rosso. Dificilmente alguém achou que o ‘alemãozinho’ não emplacaria.

Que tal o adolescente Max Verstappen? Alguma dúvida da capacidade do holandês desde suas primeiras voltas com um carro na categoria máxima?

Vamos à blasfêmia. Ayrton Senna, em sua fase nas categorias de base, deixava marcado seu DNA em cada uma das corridas que participou. Quando chegou na F1, fez de uma cadeira elétrica da Toleman um carro de corrida. Depois, fez a Lotus renascer. Na sequência, na equipe McLaren, fez tanto que a categoria mais expressiva do automobilismo começou, naquele período da história, a se confundir com sua habilidade. Mas, aqui falamos de outro nível.

Pés no chão

No GP da Áustria, nesse domingo, Charles LeClerc largou somente da 17ª posição. Seu carro foi punido porque a equipe Sauber precisou trocar a caixa de câmbio. Por falar em Sauber, a escuderia esteve flertando com a falência nos últimos anos. E, em 2018, não está lá muito bem das rodas. Os recursos são limitados e isso, evidentemente, tornou também o carro limitado.

“Cometi um erro logo nas primeiras voltas e isso teve um custo alto”, declarou LeClerc após cruzar a linha de chegada na zona de pontos (em 9º) na Áustria. “Depois, eu percebi que teria muito trabalho (e duro) para recuperar algumas posições e chegar nos pontos”.

“Acho que foi a minha melhor corrida nesse ano. Foi um dia emocionante. Tivemos muita ação durante a prova e algumas ultrapassagens. Então, fiquei muito empolgado com a pilotagem. A estratégia foi um pouco complicada porque ‘fomos’ para os pneus macios cedo e no final estava com dificuldades. Porém, conseguimos somar dois pontos e isso é muito bom para a equipe”.

Trajetória

LeClerc estreou no automobilismo em 2014, quando foi vice-campeão na Formula Renault ALPS. No ano seguinte, o monegasco corria pela Formula 3 e ficou no 4º lugar geral. Em 2016, Charles desembarcou na GP3 Series e ganhou o título. No ano passado, ele correu na F2 e conquistou outro título.

Nesta temporada, na F1, Charles LeClerc disputou nove GPs e marcou pontos em cinco deles. Seu melhor resultado foi no Azerbaijão com um sexto lugar. Nas últimas três disputadas do campeonato (Canadá, França e Áustria), ele foi a zona de pontuação em todos – respecticamente: 10º, 10º e 9º.

Maranello

A Sauber utiliza motores da Ferrari nesse ano. E adivinhem… LeClerc é piloto da Academia Ferrari. Mais do que isso, a escuderia de Maranello, de acordo com o jornal italiano Gazzetta dello Sport, já teria oferecido um contrato de 5 milhões de euros ao monegasco por duas temporadas como titular do time. Em 2019 e 2020. Charles substituiria Kimi Räikkönen e seria companheiro do tetracampeão Sebastian Vettel.

A Ferrari está certíssima. Tem a oportunidade de contar com um piloto já acima da média. Cabe ao LeClerc aceitar. Mas convenhamos, se a proposta for real mesmo, se a Gazzetta acertou, o acordo já está assinado e Charles vai ter a chance que todos querem, poucos conseguem e muito poucos aproveitam.

Conheça mais ‘O LeClerc’ em seu site oficial

Charles Leclerc – Alfa Romeo Sauber F1 Team

COMPARTILHE:

Jornalista. Abril, UOL, Yahoo, Estadão, Correio Paulistano.
Comentários